Blog

O abismo que há entre o que as pessoas dizem que sentem e o que verdadeiramente sentem

Entender a origem de nossos comportamentos é também entender a história que fizemos de nossas vidas, mas é principalmente a oportunidade de fazer algo de diferente a partir de novas escolhas mais conscientes.

Certa vez, recebi uma aluna que disse sentir muita raiva. A indignação era tão grande que sua paciência havia acabado: ela não tolerava mais nem olhar para seu esposo. Era o fim.

Aprofundando a conversa, busquei compreender a origem daquela raiva, o que estava disparando aquela rigidez e por que ela acreditava que seu relacionamento estava no fim. Para ajudá-la, eu precisava entender qual tinha sido o gatilho que tinha disparado aquele comportamento.

E então a pessoa começou a explicar que seu marido não demonstrava afeto, mesmo eles estando juntos há 14 anos. A postura dele em não dar acolhimento a deixava desconfiada de que ele não a amava. Ele nunca havia feito nada de errado, mas o fato de nunca ter sido claro em sua demonstração de carinho e amor a deixava tão insegura que não conseguia conviver mais com essa imensa dúvida interna.

Perguntei sobre sua autoestima e ela comentou de sua dificuldade em confiar em si mesma. Ela se percebia dependente de orientação e de validação externa para tomar os mais variados tipos de decisão, das mais simples às mais complexas.

Questionei também como ela se sentia quando não tinha o controle de alguma situação, e aí vieram diversas histórias de como ela buscava saber sobre absolutamente tudo que acontecia em sua empresa: criava processos e checagens, verificava o que seu time fazia a todo tempo e não conseguia delegar a parte financeira para ninguém.

Há anos, ela tentava encontrar uma maneira de sua empresa funcionar sozinha, mas a sua necessidade de controle a fazia pular cedo toda manhã e passar o dia verificando e revalidando tudo que era feito em sua empresa. Sua equipe era desengajada e isso também a tirava do sério! Simplesmente não conseguia entender como a equipe estava desengajada se tudo que precisava ser feito na empresa estava devidamente desenhado no documento de processos da empresa, que tinha mais de 400 páginas detalhando cada procedimento.

Aquela mulher simplesmente não estava com raiva, não era esse o problema. O problema nem mesmo era o marido. Muito menos sua equipe que não seguia fielmente as regras e processos da empresa. A questão era dentro dela o que ela sentia era MEDO, não raiva.

O alto nível de insegurança, fazendo-a desconfiar até mesmo de suas próprias decisões, fazia com que esta mulher projetasse nas outras pessoas as suas próprias desconfianças, inseguranças e dúvidas. E o que ela precisava era entender o que estava dentro dela, como ela funcionava e de onde nasciam aquela insegurança.

Um dos erros que podemos cometer quando não nos conhecemos é não conseguirmos discernir de onde estão brotando nossos comportamentos. Quando isso acontece dentro de nós, fica um abismo entre o que sentimos e o que dizemos que sentimos. E, no fim, nunca chegamos a uma solução para o que estamos passando porque não conseguimos cruzar o abismo que existe dentro de nós.

Autoconhecimento é também criar pontes para atravessar estes abismos. Entender a origem de nossos comportamentos é também entender a história que fizemos de nossas vidas, mas é principalmente a oportunidade de fazer algo de diferente a partir de novas escolhas mais conscientes.

Por Priscila Bastos – Diretora de Instrução.

COMPARTILHE:

CADASTRE-SE E RECEBA AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS SOBRE ENEAGRAMA NO SEU E-MAIL.

O Instituto Eneagrama é a maior empresa no Brasil e no mundo especialista em Eneagrama. Promovemos melhorias e desenvolvimento na vida de nossos clientes.

Todos os direitos reservados. IEneagrama. 2020